Adoção responsável

Billy




Taís resgatou Billy da rua entre a vida e a morte; hoje, ele faz parte da família e ela ensina os filhos a importância de amar e respeitar os animais

Priscila Pegatin

As redes sociais podem ser benéficas, se usadas para o bem. E foi graças a um post que Billy ganhou uma família.

Taís Caroline dos Santos se comoveu com a história do cãozinho, um poodle. “Vi uma publicação no Facebook dizendo que tinham achado ele no meio da cana e que corria o risco de se ferir com as máquinas. Essa história me marcou”, relembra. “Quando acordei e vi a publicação fui atrás dele para resgatar”, diz.

Machucado e abaixo do peso, Billy tinha então uma nova chance e uma dona cheia de carinho para oferecer. “Fiz o tratamento dele. Foram três cirurgias e hoje é só amor. Todo dia vejo nos olhinhos dele a gratidão que tem. Parece que quer agradecer mesmo”, conta.



Mas Billy não é o único pet da família. Taís tem ainda a Andy, uma yorkshire de 14 anos, e a Cherry, uma gata que acaba de completar a maioridade.

“Desde pequena sempre tive animais de estimação. Era cachorro, gato, peixe, papagaio, tartaruga, pássaro”, diz.

O contato com os bichinhos era tão frequente que, aos 14 anos, Taís começou a trabalhar com banho e tosa. “Foi então que esse amor pelos animais aumentou ainda mais”, garante.

Com sete anos no emprego e o convívio praticamente diário com os pets, Taís chegou a abrir a própria empresa para cuidar dos animais de quem buscava por alguém de confiança.

E foi também no trabalho de Taís que a filha, Isadora, hoje com 7 anos, convivia de perto com os pets. “Ela sempre estava comigo no banho e tosa. Desde pequena beijava e abraçava os cachorros que estavam tomando banho e até hoje ela tem esse amor por eles”, diz.

Já com o nascimento do segundo filho, o Felipe, hoje com 1 anos e 4 meses, ela deu uma pausa no trabalho, mas não pelo que sente pelos pets e nem pelo ensinamento que quer deixar para os filhos. “Desde cedo ensino eles a respeitar. A importância do carinho, amor e atenção. A primeira palavra que o Felipe falou foi ‘endi’, se referindo a Andy, a yorkshire”, diz a mãe orgulhosa e com a certeza de que forma um legado em nome dos cuidados com os animais.