Artigo de junho de Daniela Ruiz

Desenvolvimento




Hoje o assunto é desenvolvimento!

Quando falamos sobre desenvolvimento, nos deparamos com inúmeras possibilidades, pois podemos desenvolver a nós, aos outros, um projeto específico, alguma habilidade ou competência. Me vem à mente um questionamento: será que estou fazendo tudo o que posso para realmente ser uma pessoa, profissional, mãe, pai, filho, filha, amigo, amiga, melhor a cada dia? Estou sendo a minha melhor versão nos ambientes por onde transito? Antes de refletirmos sobre este questionamento, preciso definir o que significa “desenvolvimento”: ação ou efeito de desenvolver; ação de crescer ou progredir; progresso: o crescimento que, sendo social, político e econômico, pode ser observado num país, numa região, numa comunidade etc.

Quando pensamos em desenvolvimento, logo imaginamos a busca de informações para melhorar, aperfeiçoar aprender e definitivamente “desenvolver”. Porém, nem sempre sabemos o que fazer com o excesso de informação que chega até nós a todo momento pelos mais diversos canais. Ao meu ver, não sabemos lidar com todo o repertório que vai sendo acumulado. Talvez por não adquirirmos uma forma de selecionar o que realmente nos interessa. Por exemplo, quando entramos em uma loja de conveniência, olhamos tantas possibilidades que muitas vezes adquirimos “coisas” que nem precisamos, pelo simples fato de não termos nenhum critério para avaliar o que realmente pode nos interessar de verdade. E sem este crivo básico, quase enlouquecemos.



A informação é cumulativa e o conhecimento é seletivo. Comprar bem não é comprar muito, comer bem não é comer muito. E avaliando, assim, podemos chegar a alguns conceitos importantes: falo para os meus coachees que o mais importante é sabermos o que queremos levar para dentro de nós; precisamos avaliar o que realmente é relevante para a nossa vida enquanto indivíduos, sem esquecermos que vivemos em comunidade; e, por último, avaliarmos o que de fato queremos desenvolver para nos prepararmos para um próximo passo e chegarmos ao nosso objetivo.

Para que o conhecimento ocorra de verdade, temos que ter critérios e avaliar genuinamente onde vamos utilizá-lo. Já dizia o grande filósofo grego Sócrates: “Só sei que nada sei”, que dissertou sobre a sua própria ignorância, ou por não saber a absoluta certeza sobre as coisas. Assim partimos para um trajeto repleto de conhecimento, que é a chave para o nosso real desenvolvimento. Como a nossa vida é repleta de desafios, gostaria que vocês respondessem para si mesmos: o que preciso fazer para ser a minha melhor versão a cada dia? Quais são os três primeiros passos que posso utilizar para garantir o desenvolvimento para a minha nova versão?

Daniela Ruiz
Life and Executive Coach

Confira outros artigos de Daniela Ruiz no site da Revista O Comércio