Artigo de maio de Marcos Toledo

Criador, Pecado, Intolerância, Videira, Pessoas, Relativismo, Determinação, Anormal, Justo




O Deus justo que salvou o injusto

É possível salvar o injusto, sem deixar de ser justo? Para esclarecer essa dúvida, é preciso saber um pouco do plano da salvação que Deus, desde o princípio, reservou ao pecador. O homem foi criado puro, porém, pecou. O pecado o separou de Deus que, por sua vez, não se mistura com o pecado. Como fazer, então, para restaurar essa relação? Na carta de Paulo aos Romanos diz o seguinte: “pois todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus, e são justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus” (Rm. 3:23/24). Deus é justo, mas é também, em essência, amor e misericórdia.



Então, sendo Ele justo, amoroso e misericordioso, como salvar quem não merece ser salvo, sem comprometer sua justiça? A resposta está na cruz de Cristo e sua redenção no calvário. Mas como? É simples. Sem Cristo, nenhum ser humano seria salvo, porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus. Porém, pela sua graça e a redenção que há em Cristo, todos podem ser salvos, basta querer. A salvação é dom gratuito de Deus, está à disposição de todos, porém, nem todos serão salvos, porque há uma condição, crer em Jesus Cristo: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3:16). A salvação se deu, primeiro, no coração misericordioso de Deus, que se consumou na cruz, quando Cristo, por amor a todos, se entregou como oferta e recebeu sobre Si todos os pecados da humanidade, presente, passado e futuro, pois, quem nEle crê e segue seus passos, se reabilita e se reconecta com Deus, em virtude da separação que o pecado causou. Alguns teólogos dizem, simbolicamente, que Jesus quando crucificado, por estar de braços abertos, com uma de suas mãos, Ele segura na mão de Deus e com a outra segura na mão do pecador que crê e se arrepende, como ponte sobre o abismo que o pecado causou. Assim, Deus não deixou de ser justo ao salvar o injusto, porque Ele aplicou sua justiça sobre Cristo, em nosso lugar.

Marcos Aparecido de Toledo
Advogado, empresário e teólogo

Confira outros artigos de Marcos Toledo no site da Revista O Comércio