Bate-papo sobre COVID em gestantes

Menopausa, Mães, pandemia




Olá pessoal! Tudo bem?

Estamos de volta com nossa coluna Gineco Sem Neuras, falando dos mais diversos assuntos sobre saúde da mulher.

Tenho recebido muitas mensagens perguntando sobre a situação atual que estamos vivendo – pandemia de Sars-COV-2, também conhecida como Covid-19. Ainda mais em nossa cidade e região, que vem apresentando estatísticas preocupantes.

Tentarei responder aqui as perguntas mais comuns:

“Estando grávida, corro um risco maior de pegar a doença?” Não, o risco de pegar é o mesmo se você estiver grávida ou não.



“E se eu pegar, tenho mais risco de ser um caso grave, internar, ir para UTI?” Até o momento não tem nenhum estudo científico relevante que comprove isso. Alguns estudos menores apontaram risco um pouco maior, mas tem outros fatores relacionados… Então, a princípio, o risco é semelhante ao de uma mulher da mesma idade, não grávida (um risco pequeno, porém real!)

“Tem possibilidade de passar para o bebê?” Mais uma vez, até o momento não temos nenhum estudo sério que comprove isso. Aliás, a maioria dos estudos não encontrou indícios de transmissão pela placenta. O que acontece frequentemente em recém-nascidos é que a mãe, ao cuidar da criança, amamentar, acaba transmitindo o vírus. É muito raro acontecer alguma coisa com bebês ou crianças pequenas, ainda bem! Mas mesmo assim recomendo tomar cuidado nessas situações – é raro mas não é impossível.

“Vou precisar antecipar o parto? Precisa ser cesárea?” Se estiver bem, sem sintomas, sem problemas respiratórios, pode ter parto normal – e pode ser na hora que for, esperar trabalho de parto, tudo isso! Não muda nada. O problema é se estiver apresentando alguma complicação ou quadro grave. Dependendo da situação, pode ser necessário fazer o bebê nascer antes para proteger a mãe e ajudá-la a se recuperar melhor.

É muito importante ressaltar que, por se tratar de algo muito recente, ainda não temos pesquisas robustas para responder tudo com certeza e propriedade; na verdade é exatamente o oposto, temos mais incertezas do que verdades. Por isso precisamos sempre nos atualizar conforme novas pesquisas vão sendo concluídas e, na dúvida, vamos nos proteger o máximo possível para evitar nos expor a esse problema.

Se tiver outras perguntas, manda para mim no instagram @ginecosemneuras!
Até a próxima 🙂

Octávio Legramandi
Ginecologista e Obstetra graduado e especialista pela Faculdade de Medicina de Botucatu – UNESP

Confira outros artigos de Octávio Legramandi no site da Revista O Comércio