Chefe ou líder?

Reflexões





Essa é uma das primeiras perguntas que faço quando estamos em um processo de Coaching Executive falando sobre a empresa e o superior direto. E na grande maioria dos meus coachees, sejam eles iniciantes na carreira ou mais seniores (supervisores, coordenadores e gerentes), eles respondem: tenho chefe! Ainda é uma realidade, porém, tem data de validade!

Agora vamos entender o porquê! Mas antes de falar sobre eles, vou me atentar a uma definição bem simples:
Chefe: tem subordinados e a tendência a comandar pessoas, impor ordens e ser autoritário, e a regra básica é: manda quem pode e obedece quem tem juízo!



Líder: não costuma dizer que tem subordinados, e sim uma equipe ou um time. Ele ouve as pessoas ao seu redor e está sempre disposto a tirar dúvidas. Conhecimento compartilhado, troca de informações entre a equipe.

Agora sim… Ficou nítida a diferença entre ambos? Pois bem, então vamos entender o que podemos fazer para conseguir trabalhar de forma harmoniosa com os ditos chefes.

O chefe me parece alguém mais inseguro, desconfiado, só acredita nas suas convicções; porém, percebo que a grande maioria tem um sentimento em comum: o medo! Medo de perder o controle da situação e das pessoas subordinadas a ele. Mas tudo isto é compreensível, pois há muitos anos, quando estes profissionais iniciaram suas carreiras de sucesso, desenvolviam expertises nas áreas técnicas e funcionais, na qual o bom era aquele que tinha as respostas certas. Isto funcionava muito bem.

Passados alguns anos, estes profissionais estão notando que a regra do jogo vem mudando constantemente e radicalmente, e é algo necessário e fundamental para os dias de hoje. Um dos desafios é o funcionário aprender a se adaptar a este ambiente e com comprometimento total, focar as suas energias nas inovações; chamamos no coaching estes profissionais com mindset de crescimento (mentalidade, modelo mental). Já aqueles de mindset fixo (acreditam que as suas qualidades básicas como, por exemplo, o talento para algo ou a inteligência, são traços fixos e não há o que melhorar, desenvolver) estão perdendo os seus postos.

E a pergunta que não quer calar, meus queridos leitores: como conviver com os ainda chefes? Sabedoria, nada de contrapor de imediato as ideias deles. É necessário ter a habilidade de expor nossas opiniões de forma tranquila e equilibrada. Às vezes podemos dizer a mesma coisa de formas diferentes; portanto, nada de “bater de frente”.

Sempre que possível, reflita antes de agir e trace a melhor estratégia para se fazer entender; até que o chefe perceba que está querendo contribuir para a melhoria e não contrapor as demandas dele. Boa sorte!

Daniela Ruiz
Life and Executive Coach

Confira outros artigos de Daniela Ruiz no site da Revista O Comércio