Conheça a Ozonioterapia

Ozonioterapia




Aliado da estética, método oferece diversos benefícios também para a saúde; Luciene Chaves explica

Da Redação

A ozonioterapia é um método que consiste na combinação dos gases oxigênio e ozônio que são aplicados no corpo por diferentes vias. Em Lençóis Paulista, Luciene Chaves é a primeira profissional de saúde a oferecer a técnica que é indicada para cuidados estéticos, além de prevenir e tratar mais de 260 doenças.

Para formar a composição segura, Luciene explica que o oxigênio natural recebe uma radiação e se transforma em ozônio. O gás tem como base 95% de oxigênio e 5% de ozônio. A partir da mistura, é definida a dosagem para atender as necessidades de cada paciente.

Na estética, a ozonioterapia é indicada contra estrias, gordura localizada, acne, queda de cabelo e calvície. Para a saúde, o método tem efeito benéfico em doenças físicas e transtornos mentais, como feridas em pacientes com diabetes, patologias degenerativas, dores articulares, reumatismo, autismo e depressão.



Os benefícios da aplicação se refletem no organismo graças a ação dos gases que auxiliam no controle de inflamações, aceleram o processo de cicatrização, favorecem a oxigenação dos tecidos e combatem microorganismos nocivos. Com base nessa assistência que a ozonioterapia oferece, a doutora indica a aplicação também para pacientes em tratamento contra o câncer. “O ozônio vai deixar as células sadias oxigenadas e, quando a pessoa recebe a quimioterapia, o remédio vai direto para as células cancerígenas”, explica. O resultado se reflete em efeitos colaterais mais brandos ou mesmo um tratamento quimioterápico sem as reações adversas. No entanto, a doutora ressalta que o método é considerado pelo Ministério da Saúde como prática integrativa e complementar, ou seja, deve ser usado em conjunto com o tratamento convencional.

Aplicação

A ozonioterapia pode ser administrada de diversas formas: injeção subcutânea, água e óleo ozonizado, bolsa plástica ou administração retal. “As vias de aplicação se compensam, ou seja, o efeito é o mesmo”, garante a profissional de saúde. Já o número de sessões varia conforme a doença, mas o ideal é optar por um ciclo de dez sessões com uma aplicação por semana, exceção para patologias autoimunes em que o recomendado é de até duas sessões por semana. “A partir da terceira aplicação, é possível sentir os benefícios”, garante Luciene.
Para que o paciente se sinta mais confortável e tenha acesso fácil ao tratamento, a doutora trabalha com agendamento no consultório e atendimento domiciliar.
Toda pessoa interessada em receber a ozonioterapia deve passar por uma avaliação. De modo geral, a técnica só é contraindicada para casos de hipertireoidismo descompensado, mulheres grávidas e pessoas com deficiência relacionada à enzima G6PD, condição rara.