Água é vida

ˆ




No Dia Mundial da Água, Lençóis Paulista tem o que comemorar; para Sidney Aguiar, cidade é privilegiada quando o assunto é recursos hídricos

Hoje é comemorado o Dia da Água, data data que foi criada com o objetivo de alertar a população internacional sobre a importância da preservação da água para a sobrevivência de todos os ecossistemas do planeta. Como todos sabem, a água é um componente indispensável para que haja vida, daí a sua importância.



Para falar um pouco mais sobre esse importante recurso, convidamos o professor, pesquisador e especialista em Sustentabilidade, Direito Ambiental e Recursos Hídricos, Sidney Aguiar, para uma entrevista. Sidney se mostra satisfeito com o trabalho regional que vem sendo feito pelo Poder Público, mas faz um alerta: o trabalho não pode parar


Revista O Comércio – Nesse Dia Mundial da Água, como você classifica a situação hídrica da região? (rios, lençóis freáticos, represas, etc)

Sidney – Temos na região três importantes rios, que são responsáveis pelo desenvolvimento social, ambiental e econômico: Tietê, Batalha e Lençóis, e todos eles melhoram muito nos últimos dez anos. Na bacia do rio Lençóis em quase todos os municípios têm tratamento de esgotos sanitários, a maior parte das empresas trata e lança seus efluentes em conformidade com as leis e as normas récnicas. Quanto às barragens de águas, que sempre apresentaram riscos, vem sendo feito um trabalho técnico intenso e efetivo por parte da Defesa Civil de Lençóis Paulista e o CGBH-RL para gerenciar os riscos. Em relação aos sistemas de águas subterrâneos, não há sinais de contaminação, todas as nossas águas captadas dos aquíferos são de boa qualidade.


Revista O Comércio – O rio Lençóis é importante em quais aspectos para Lençóis Paulista e região?

Sidney – Nós, técnicos, tratamos qualquer rio como uma unidade geopolítica. Isto significa que olhamos para eles abordando os aspectos históricos, técnicos e legais. Quando adotamos o rio Lençóis como uma unidade geopolítica, começamos a tratá-lo de forma social, econômica e ambiental. Quando entendemos a sua história, introduzimos uma gestão abordando todos os lados da sustentabilidade para conseguirmos equilibrar seus aspectos problemáticos. Explicando, o rio Lençóis tem uma história muito bonita de ser contada, tem aspectos técnicos peculiares e um fator econômico muito importante através do recebimento de efluentes tratados de muitas empresas da região. É por isso, que deve haver essa interpretação transdisciplinar dos rios.


Revista o Comércio – Ainda sobre o rio Lençóis, ele é límpido se comparado a outros de nossa região?

Sidney – O rio Lençóis está enquadrado dentro dos padrões legais de balneabilidade e nos conceitos das normas técnicas, como disse anteriormente. Já foi bem pior. De dez anos para cá tem melhorado significativa a qualidade das águas e há uma tendência de melhora continua das variáveis hidroambientais. Lençóis Paulista, Borebi, Areiópolis e São Manuel tratam seus efluentes sanitários e isso tem contribuído de forma geral, além de ter um controle rotineiro por parte de empresas dessas variáveis hidroambientais.


Revista O Comércio – Como você classifica a vida no rio Lençóis e em seus afluentes?

Sidney – Muito boa e com vistas de melhorar ainda mais.


Revista O Comércio – O trabalho do Comitê Gestor tem colaborado em quais sentidos para a preservação da bacia?

Sidney – Fazendo gestão da bacia hidrográfica e gestão de riscos. O CGBH-RL, utilizando-se de ferramentas cedidas por empresas signatárias da gestão da bacia do rio Lençóis, elevou o nível de segurança ambiental da bacia hidrográfica para um patamar recomendável do qual possamos ter mais tranquilidade em situações de riscos. Isso não significa que os riscos estão completamente reduzidos, mas nós podemos dizer que hoje, em 2019, temos mais instrumentos e conhecimento técnico para enfrentar sinistros de enchentes e inundações em toda a bacia do rio Lençóis.


Revista O Comércio – Quais ações práticas estão sendo realizadas nesse momento?

Sidney – A mais importante de todas é conseguir interagir sem viés ideológico-partidário com os diferentes setores interessados, órgãos de Defesas Civis, empresas, prefeituras e demais públicos.


Revista O Comércio – Você sempre faz questão de ressaltar que toda essa metodologia de gestão de águas empregada é feita sem viés ideológico-partidário. Por quais motivos isso é sempre enfatizado?

Sidney – No Conselho Técnico do CGBH-RL interajo com gerentes das principais empresas do ramo industrial da região. Tenho aprendido com eles que esse tipo de trabalho deve ser absolutamente técnico e sem paixões pessoais ou partidárias. Cito um comentário que sempre repetimos nas nossas reuniões mensais: “Esse trabalho de gestão de águas iniciado no município de Lençóis Paulista e o trabalho de gestão da bacia hidrográfica não podem parar, independentemente de quem sejam os prefeitos ou quem esteja no momento”. Se um dia, esse trabalho for extinto por paixões pessoais ou partidárias, voltaremos aos níveis de insegurança ambiental, anterior a 2016.


Revista O Comércio – Para finalizar, o que você pensa sobre o Dia da Água?

Sidney – Como professor sou obrigado a dar uma aula diferente sobre o tema, preparando os alunos com base na metodologia acadêmica. Como especialista, não costumo comemorar o dia… Eu vivo o dia da água todos os dias, há 15 anos… Minha vida profissional está construída em cima das minhas teses acadêmicas e trabalhos realizados nos recursos hídricos. Meus livros e trabalhos saíram de Lençóis Paulista para serem conhecidos em outros cantos… Encaro os meus trabalhos, como uma missão a mim atribuída para ajudar as pessoas, é por isso que todos os dias peço a ajuda do Criador das águas para me ajudar a cumprir a missão.