Dra. Salete responde #5

Sexual




Existe uma frequência sexual considerada normal? E ménage, faz bem para o casal?

Meu namorado tem 25 anos e não gosta de fazer sexo. Existe uma frequência considerada normal? O que eu faço? J.A. 28 ANOS

Em primeiríssimo lugar, uma conversa franca sobre o assunto é fundamental. Pode começar dizendo que você não sente que ele tem a mesma vontade que tinha antes, se for o caso, e perguntar se há motivos para não desejar transar.
Pode ser por várias razões, mas só ele poderá dizer o que realmente está acontecendo.
Geralmente, nessa idade, além da inexperiência, pode acontecer também a ansiedade que gera medo de falhas na hora “H” por sentir não controlar bem o tempo para ejacular ou a qualidade da ereção.
Compreenda que a frequência ideal para ter relações sexuais não existe. A melhor é aquela que a pessoa deseja. Pode ser todos os dias (desde que não seja uma compulsão) ou até mesmo não sentir vontade de fazer sexo, quando o desejo sexual não existe, ou existe por si só, desligado de qualquer pessoa. E isso não é uma doença.
Portanto, essa pode ser uma ótima oportunidade para você aprender sobre a riqueza de possibilidades e de transformação que podem vir através de um bom diálogo sem julgamentos.



Ménage é uma boa opção para o casal sair da rotina? Isso pode influenciar a relação no futuro? T.C. 32 anos

A expressão francesa ménage à trois se refere a uma relação erótica e afetiva que envolve três pessoas. Embora seja um acordo que casais fazem há muitos séculos, deve ser bem pensado antes de chegarem a uma conclusão.
Primeiramente, sobre os motivos que levam a um dos cônjuges a sugerir essa mudança na intimidade sexual.
Se o casal está passando por uma crise no relacionamento, provavelmente só irá fragilizar ainda mais, pois a insegurança cresce o que levará à comparação do desempenho e da interação sexual que o(a) parceiro(a) tem com a outra pessoa ou ainda se sentir rejeitado.
Um ménage pode proporcionar muito prazer aos envolvidos e ser um momento de intimidade excitante para o casal, mas há de se estar preparado(a) para viver e se entregar à experiência e também ter consciência de que uma vez a porta aberta, muito provavelmente não terá retorno.
Trata-se de uma mudança complexa muito maior para o relacionamento do que meramente sair da rotina.

Meu namorado gosta que eu estimule o ânus dele com um vibrador. Será que ele é gay? B.S. 25 anos

A sexualidade tem um quê de transgressão. O ânus é uma zona erógena importante com grande inervação que faz com que a estimulação táctil da área provoque excitação sexual. Se uma mulher introduz algum objeto no homem ou estimula seu ânus de alguma outra forma e não há nenhum outro homem envolvido, nem mesmo, necessariamente, em fantasia, estará proporcionando prazer ao seu parceiro.
Excitação anal no homem não pode ser confundida por homoafetividade.
Desde a mais tenra infância o prazer palpita no corpo que futuramente, quando adulto, realizará parte de suas fantasias.
Temos que pensar a sexualidade de forma ampla e livre.
São tênues as fronteiras quando pensamos a configuração do desejo.
Estas práticas acompanharam a vida de muitos homens ao longo dos séculos. Somente no século XIX, passaram a ser vistas de forma preconceituosa, rejeitadas pela maioria dos homens e por muitas mulheres até os nossos dias.
Assim, o território anal tornou-se interditado para os que gostam de mulheres.
Para além das questões morais, veja o sexo como um momento de entrega, prazer e de confiança.