Estresse e pandemia

Ansiedade, Estresse




Todos estamos vivendo um momento de muitas incertezas em função da pandemia da Covid-19.  Nós não estávamos preparados para as mudanças que a pandemia provocou em nossas vidas e a imensa quantidade de informações a que estamos expostos podem causar repercussões importantes em nossa saúde mental.

Muitos são os sentimentos envolvidos em um momento de grande tensão como o que vivemos, mas talvez, a emoção que mais se faz presente seja o medo. O medo é um mecanismo de defesa importante para a sobrevivência humana e envolve vários processos biológicos que nos preparam para agir diante de situações e eventos potencialmente ameaçadora à nossa existência.

Ocorre que, em função do turbilhão de informações e incertezas em que vivemos, a intensidade do medo em algumas pessoas pode se tornar crônica e ser geradora de uma grande quantidade estresse. Em níveis moderados, ele reduz o nosso excesso de autoconfiança (que em períodos difíceis como o de passar uma pandemia pode ser perigoso) e também nos protege e nos prepara para novas situações que a vida nos impõe. Graças ao estresse nos adaptamos aos desafios da vida.


Mas, em níveis crônicos, ele pode ser o desencadeador de uma série de doenças, dentre elas, transtornos mentais.

A pandemia impõe a todos um aumento no nível de estresse e sabemos que a maioria das pessoas é resiliente e não vai adoecer mentalmente, no entanto, existem pessoas que fazem parte de um grupo de risco para desenvolver problemas emocionais. São elas: pessoas que contraíram a doença, idosos, pessoas que já se encontravam em tratamento de outras doenças crônicas, profissionais da área de saúde e principalmente, pessoas que já se encontravam em uma condição de sofrimento emocional.

Algumas pessoas podem ter experiências intensas e traumáticas durante a pandemia e podem desenvolver um tipo específico de estresse denominado Transtorno de Estresse Pós-Traumático.

A relação entre situações traumáticas e transtornos mentais é reconhecida há mais de 200 anos. No decorrer desse período, foi estudado o impacto de várias guerras (primeira e Segunda Guerra Mundial e os horrores do Holocausto), bem como, uma série de desastres naturais.

A superação de uma fase traumática nem sempre é fácil.

Segundo um célebre provérbio, é preciso aprender a viver como se o instante mais importante da vida fosse aquele que você está vivendo no exato momento, e as pessoas que mais contassem fossem as que estão diante de você.

Talvez ainda tenhamos dias difíceis pela frente, no entanto, você pode escolher como passar por esse momento.

Cuide de seu corpo, de sua mente e principalmente de seu semelhante.

Dr. Fábio Luiz Vicente
Psicólogo Clínico e Neuropsicólogo

Confira outros artigos de Dr. Fábio Luiz Vicente no site da Revista O Comércio