Nas rédeas da vida

Equoterapia




Equoterapia auxilia no tratamento de várias patologias, condições genéticas ou psicológicas e sequelas; Centro Equus Vita oferece a prática gratuitamente em Lençóis Paulista

Angelo Franchini Neto

A equoterapia cada vez mais tem ganhado espaço como um estímulo ao desenvolvimento da mente e do corpo. É uma prática complementar, que auxilia no tratamento de várias patologias, condições genéticas ou psicológicas e sequelas provenientes de acidentes, paralisia cerebral ou traumatismo craniano/raquimedular.

A cidade de Lençóis Paulista tem o privilégio de oferecer a equoterapia gratuitamente aos seus praticantes. É o Centro de Equoterapia Equus Vita, um projeto realizado pela ARLP (Associação Rural de Lençóis Paulista) que há 16 anos faz um belo trabalho interdisciplinar, com profissionais da psicologia, terapia ocupacional, fonoaudiologia e fisioterapia. “Há de se destacar que, além de trabalhar a saúde física e mental, a equoterapia também atua em questões sociais e de educação”, lembra Rita de Cassia Crespilho Bertoletti, fisioterapeuta do Centro de Equoterapia Equus Vita.



Vale lembrar que a equoterapia é um tratamento complementar, ou seja, não substitui o trabalho clínico. Antes de iniciar a prática, é necessário passar pelas mãos de profissional da saúde física e/ou mental. “Existe um protocolo de equoterapia, que o profissional vai preencher e assinar. Esse documento contém várias informações, como por exemplo, se o praticante fala, ouve, se expressa, anda. Dessa forma, temos uma hipótese diagnóstica. Em seguida, marcamos um horário com o possível praticante, a nossa equipe e, caso haja necessidade, o responsável. Fazemos uma pré-avaliação e, a partir daí, montamos o nosso atendimento. O que vamos usar? Qual cavalo? Será cela ou manta? Trote ou a passo? Asfalto ou terra?”, destaca a psicóloga Juliana Oliveira Romão Bodo. As sessões duram meia hora, tempo mais do que suficiente para que os resultados sejam eficientes.

Vale a pena destacar que todos os profissionais do Centro de Equoterapia Equus Vita são formandos em um curso intensivo da Associação Nacional de Equoterapia, tornando-se equoterapeutas.

Benefícios mentais e físicos

Quando o praticante está em cima do cavalo, ele recebe diversos estímulos neurológicos. “Alguns, só por estarem em cima do cavalo, já elevam a própria autoestima e ganham confiança, pois o cavalo é um animal histórico, representa força e energia. Mas vale a pena ressaltar que existe todo um processo até chegar à monta. Os primeiros dias são apenas de aproximação, nos quais o praticante conhece os animais e os terapeutas, e os terapeutas conhecem esse praticante. Existem praticantes que na primeira sessão já montam, enquanto outros montam depois de um mês. Por isso o trabalho é individualizado, de acordo com a necessidade de cada um”, reforça Juliana.

Rita também lembra que o trabalho físico tem ótimos resultados pelo fato de o cavalo ter um andar semelhante ao do ser humano. “Quando andamos ao passo, o estímulo que o cérebro recebe é o mesmo que o praticante receberia se estivesse andando sozinho. Trabalhamos também o fortalecimento de tronco, pois o cavalo joga o praticante para frente e para trás, para cima e para baixo, para um lado e para o outro. É o que chamamos de movimento tridimensional, ação que guia os nossos trabalhos por aqui”.

Serviço

O Centro de Equoterapia Equus Vita atende de segunda à quinta-feira, das 7h30 às 11h30 e das 13h às 17h.
O telefone para contato é o 3263-1411.


Conheça os cavalos do Centro de Equoterapia Equus Vita

Todos os cavalos do Centro são treinados para aceitar a monta do praticante, parar na rampa, aceitar um material diferente ou qualquer atividade relacionada à equoterapia. Ao todo, o Centro de Equoterapia Equus Vita conta com quatro animais. São eles:

Sereno – É o animal mais alto e imponente do Centro. Por outro lado, ele é tranquilo e tem um passo bem suave. O praticante consegue conduzir o animal com a rédea ao passo, trote e até galope. É um animal bastante completo.

Pitoy – Tem um dorso mais largo e, por isso, é indicado para adultos. É mais “bruto”, porém, tão dócil quanto o Sereno.

Príncipe – É tranquilo como o Sereno, mas mais baixo. Indicado aos praticantes que tem medo de montar em animais mais altos.

Petiço – É o mascote da equipe, pois está em treinamento. Participa apenas de atividades que não envolvem a montaria, como banho e penteado.