Varal solidário

varal solidario




Ação idealizada pelo casal Cristiano e Dilaine tem chamado a atenção de quem passa na rua; no varal é possível retirar ou deixar um agasalho para quem mais precisa

Angelo Franchini Neto

Você já parou para pensar o quanto deve ser difícil passar frio? Apesar de o inverno brasileiro não ser tão rigoroso quanto em outros países, muitos cidadãos humildes sabem bem o que é isso.
Mas, no que depender do casal Cristiano Ricardo Paraízo e Dilaine Paraízo, esse problema está resolvido.



Proprietários de um pequeno brechó no cruzamento da Rua Anita Garibaldi com a Avenida Ubirama, Cristiano e Dilaine decidiram ajudar o próximo e disponibilizaram ao público uma espécie de varal solidário. A placa “Deixe ou retire seu agasalho” deixa clara qual é a proposta. “Ali o cidadão pode doar ou mesmo pegar um agasalho, para que o frio possa ser ao menos aliviado”, comenta Cristiano. A ideia surgiu nas redes sociais, após ele e a esposa verem uma ação semelhante na Europa. “Nós não queríamos promover o nosso brechó, e sim a ação. Mas mesmo assim decidimos não dar publicidade, pois não queríamos nos aparecer”, garante Cristiano.

Sucesso absoluto

Para a surpresa do casal, a boa ação, por si só, se autopromoveu pela cidade. “No mesmo dia em que começamos com o varal solidário (18 de maio), uma moça que mora aqui em frente tirou uma foto e postou nas redes sociais. A repercussão foi tão grande que o Cristiano precisou gravar um vídeo de gratidão às pessoas que elogiaram o nosso trabalho”, ressalta Dilaine.

Muitas pessoas têm utilizado os agasalhos disponíveis no varal solidário, prova de que o projeto tem dado certo, mas engana-se quem pensa que a reposição não ocorre. “No começo chegamos a comprar algumas roupas para colocar ali, mas agora não há mais necessidade”, garante Dilaine. Vale lembrar que o varal solidário fica ali dia e noite, para quem quiser doar ou retirar um agasalho.

Sempre ajudando o próximo

Não é de hoje que o casal Cristiano e Dilaine tem ajudado o próximo. Em Botucatu, cidade onde moravam até dezembro do ano passado, os dois já realizavam obras sociais. “Há dez anos nós doamos cestas básicas, roupas ou qualquer outro item para quem mais precisa, sempre com o apoio de uma pessoa que se chama Simone, da cidade de Santo André. Esse compartilhar é algo que temos no coração e que vamos carregar para sempre conosco”, finaliza Cristiano.