Zilor e Ascana promovem ação “Juntos contra o fogo”

Juntos contra o fogo




Ideia é conscientizar comunidades sobre a prevenção de incêndios criminosos

Da Redação

A Zilor, em parceria com a Ascana (Associação dos Plantadores de Cana do Médio Tietê), lançou a campanha “Juntos contra o fogo”, com o intuito de conscientizar a população de Lençóis Paulista e região sobre os impactos negativos causados pelos incêndios criminosos na lavoura da cana-de-açúcar

Os parceiros agrícolas da Zilor, associados da Ascana, são responsáveis por 70% da área de cultivo de cana da Zilor e, assim como a empresa, adotam a colheita 100% mecanizada. Embora não seja de conhecimento público, os incêndios causam grande prejuízo econômico ao produtor rural, uma vez que a cultura queimada perde seu potencial produtivo e o solo perde a sua fertilidade.



“Se a cana atingida pelo incêndio não estiver em idade de corte, ela será descartada, com prejuízo econômico de 100%. Também temos prejuízos na parte ambiental: os focos de incêndio podem se alastrar para Áreas de Preservação Permanente e matas ciliares próximas às áreas de cultivo, impactando na fauna e flora local, além do perigo de atingir as comunidades”, afirma Pedro Luís Lorenzetti, diretor-presidente da Ascana.

Para o presidente da Zilor, Fabiano Zillo essa união é muito importante. “Juntos podemos promover e conscientizar as comunidades para que entendam a importância de preservar o meio ambiente e denunciar os incêndios criminosos. É a partir da cooperação que vamos garantir um ambiente seguro e ar mais puro para todos!” A campanha Zilor e Ascana juntas contra o fogo! abrange as cidades de Lençóis Paulista, Macatuba, Areiópolis, Agudos, Pederneiras, Borebi e Boraceia.

Tipos das ocorrências e impactos

Durante os meses de inverno, as condições são ideais para as queimadas: seca, umidade baixa, ventos fortes e temperaturas elevadas, principalmente entre às 11h e 15h. Neste período, as áreas rurais e até mesmo os centros urbanos enfrentam diversas ocorrências de incêndios, que na maioria das vezes têm origem criminosa, seja intencional ou não.

Atualmente, a Zilor e parceiros agrícolas utilizam variedades de cana que são desenvolvidas especialmente para a colheita mecânica e crua. Nesse tipo de lavoura, a queima provoca perda de açúcar, atrasos na colheita e perda de produtividade na safra seguinte quando há queima dos brotos.

Além dos danos na produção, é importante considerar danos ainda mais graves, ocasionados quando as chamas atingem áreas de preservação permanente e vegetação original. Esse tipo de situação, além de prejudicar a natureza, oferece riscos para a imagem da empresa frente ao mercado e comunidades em que ela atua e a expõe a multas e intimações judiciais de valores extremamente elevados. Não há retorno positivo às usinas e produtores rurais que se propõem a queimar suas áreas de plantio. Zilor e Ascana têm frente ao mercado um firme posicionamento sustentável em seus processos e em sua cadeia de relacionamentos.